Novo Projeto – AeroPortal

aeroportal_jpg

Bom dia, boa tarde, boa noite, conforme a ocasião, pilotos e futuros pilotos!

Como estão os senhores e as senhoritas? Espero que bem! Bom, estou fazendo esse post para anunciar meu novo projeto: o AeroPortal!

Como disse neste post, estava trabalhando em um novo projeto juntamente com grandes nomes da aviação na internet, e esse projeto finalmente ficou pronto! (Tudo bem que já faz 1 mês que ele está no ar, mas é agora que as coisas vão começar a funcionar como deveriam ;)). Trata-se do AeroPortal, um portal (ah vá) sobre aviação! Lá estamos colocando as principais notícias da aviação, bem como textos e colunas de grandes nomes da aviação brasileira, fotos, podcasts, vlogs e uma infinidade de outras coisas relacionadas à aviação. Os melhores geradores de conteúdo para aviação da internet estão lá! É uma grande conquista e um novo grande passo para a aviação na internet. Tudo de melhor está lá!

Portanto, gostaria de dizer que, oficialmente, o Blog Futuros Pilotos deixará os céus virtuais e vai finalmente pousar e ficar em exposição para todos os futuros pilotos! Os conteúdos aqui postados ficarão disponíveis sempre que vocês precisarem 😉 O foco agora está neste novo projeto, o AeroPortal. Então, todas as novas notícias, colunas, textos, podcasts, vlogs, fotos, tirinhas e tudo mais estarão em um único lugar, o AeroPortal! Faça uma visita no site e aproveite o melhor conteúdo sobre aviação da internet!

Novamente agradeço a todos pela atenção, pelo carinho, pelos comentários, feedbacks, e pelas visitas nesses quase 3 anos de blog Futuros Pilotos. Ah, e vou contar um segredo: lá no AeroPortal eu terei uma coluna falando sobre a carreira de piloto, então fica ligado lá que vai ser uma coluna muito legal e que com certeza vai ajudar muitos de vocês 😉

Obrigado pessoal, nos vemos lá no AeroPortal!

Abraço!

Fábio Miguel

Anúncios

Boeing 787 Dreamliner – “O avião do futuro”

aeronaves

O Boeing 787 é o mais novo avião da Boeing, a gigante de Seattle, uma aeronave que promete mudar o mundo da aviação implantando novas tecnologias nunca utilizadas até então na aviação, gerando um menor custo operacional jamais visto em outra aeronave. O 787 também é aposta da Boeing contra o gigante da concorrente Airbus, o A380, com a ideia de que a aeronave do futuro precisa ser econômica e ecológica. Já a Airbus defende a ideia que a aeronave do futuro precisa ter uma capacidade enorme de passageiros, visto que o A380 pode voar com até 845 passageiros, lembrando que a Airbus está desenvolvendo o A350 aeronave a qual será ecológica assim como o 787.

800px-Toothed_exhaust_duct_covers_on_a_Boeing_787

787 – Em destaque os RR Trent 1000

São várias as inovações do 787, sendo as mais importantes o novo sistema de voo, onde a todos os esforços necessários são feitos por componentes elétricos, diferente dos aviões tradicionais que utilizam força do motor para alimentar os componentes hidráulicos e pneumáticos. Com o uso do sistema elétrico, a Boeing diz ter um economia de 35% de energia dos motores, permitindo assim maior economia de energia e maior impulso dos motores. Outro diferencial está nos seu motores que são ecologicamente corretos e silenciosos.

800px-ANA_Boeing_787-8_Dreamliner_cabin_LED_show

Classe Econômica do 787

O 787 é projetado para 234 lugares, privilegiando a vista dos passageiros durante o voo. As janelas da aeronave são diferentes das convencionais, são maiores e não precisam daquela famosa “janelinha” que sobe e desce, pois o passageiro pode ofuscar ou deixar claro o vidro da janela. A All Nippon Airways (ANA) foi a companhia que lançou o Dreamliner, e no dia 26 de outubro de 2011, o 787 fez o seu primeiro voo comercial de Narita para Hong Kong.

ANA-Boeing-787

Mas infelizmente, meus amigos, o sonho pode acabar se tornando um pesadelo. Uma séries de pequenos incidentes vêm acontecendo com o 787 em todo o mundo, mas as operações continuavam normalmente até que há 3 semanas, em um voo doméstico no Japão, logo após a decolagem o alerta de fumaça foi disparado, imediatamente a aeronave voltou para o aeroporto e não houve nenhum problema maior. O que aconteceu foi que as baterias da aeronave superaqueceram e acabaram derretendo. Como vocês viram, mencionei no texto que o sistema do 787 é feito por sistemas elétricos o que exige uma maior capacidade de energia elétrica do que nos outros aviões para suprir essa necessidade de eletricidade. Caso a Boeing optasse pelas tradicionais baterias utilizadas nas outras aeronaves, iria gerar um peso sobressalente.

Para evitar este excesso de peso, a Boeing optou em usar baterias de Lítio iguais as utilizadas em notebook, smartphones e outros gadgets que utilizamos no nosso dia-a-dia. As baterias de Lítio conseguiram suprir a necessidade da aeronave, mas elas esquentam demais com o uso constante e acabaram derretendo, acarretando em todo esse problema. A FAA decidiu suspender todos os voos do 787 por todo o mundo até que o problema seja resolvido. Autoridades dos EUA, Japão e engenheiros da empresa que fabrica a bateria estão investigando as causas do derretimento. Pelos indícios, o 787 não deve voar mais em 2013, pois de acordo com os engenheiros, umas das soluções encontradas pela Boeing seria usar baterias de hidreto de níquel metálico, que são mais pesadas, e este processo demoraria pelo menos um ano para se tornar realidade. Alguns dizem que os problemas foram culpa da pressão das companhias em cima da Boeing para a entrega da aeronave, que já estava atrasa. Infelizmente a aeronave possui um futuro incerto, pois essa série de incidentes pode “queimar” a aeronave.

beterias_787

Baterias totalmente derretidas

Trento

Máquina da Vez – Embraer ERJ 145 XR

E aí Cmtes, tudo tranquilo? Maravilha!

A pedido do nosso leitor Samuel de Brito, estamos trazendo para vocês, mais um jato da EMBRAER, o ERJ 145. Foi difícil encontrar as informações sobre ele mas aqui está. Não está tão rico quanto os demais aviões da série, mas já dá para conhecer um pouco mais desta ave.

Continuar lendo

Máquina da Vez – Mirage 2000

E aí Cmtes, tudo tranquilo? Maravilha!

Chegando mais uma Máquina da Vez por aqui e hoje temos uma estréia! Vamos falar do primeiro avião militar da nossa série. O pedido foi feito pelo nosso amigo Luis Henrique via e-mail, mas ele não deixou especificado qual modelo queria. Então tomei a liberdade de escolher qual será. E o escolhido foi o Mirage 2000, influenciado pelo filme Cavaleiros do Ar. Agora vocês conferem um pouco mais sobre esse caça de números impressionantes.

Dassault-Breguet Mirage 2000 é um caça francês monoturbina desenvolvido pela Dassault Aviation. O Mirage 2000 foi desenvolvido pela Dassault Aviation para a Armée de l’Air em substituição ao programa Avion de Combat Futur. A Dassault Aviation visava atender às necessidades francesas e a repetir o sucesso comercial e internacional alcançado pelo Mirage III, competindo com o americano F-16. O primeiro voo do protótipo ocorreu em 10 de março de 1978. Entrou em serviço em 1984. Atualmente, está em processo de substituição peloDassault Rafale, que entrou em serviço em 27 de junho de 2006.

Variações

Mirage 2000C

A primeira versão a entrar em serviço foi o Mirage 2000C. O Mirage 2000C é um interceptador, não possuindo ainda características de caça multimissão. Um total de 124 caças foram construídos para a AdA. Os primeiros Mirage 2000Cs foram entregues com o radar Thompson-CSF RDM (Radar Doppler Multifunction). Posteriormente, entrou em serviço o radar RDI (Radar Doppler), muito mais capaz que seu antecessor.

Mirage 2000B

Variante de treinamento com dois assentos do Mirage 2000C. A AdA adquiriu um total de 30 aeronaves.

Mirage 2000N e 2000D

O Mirage 2000N é uma variante desenvolvida para o ataque nuclear. Substituiu o Mirage IV nesta função. É uma aeronave de dois lugares e carrega um único míssil ASMP. Pode realizar ataques com armas convencionais como o míssil antinavio Exocet AM 39, anti-radar Armat, bombas guiadas e até o míssil cruise Apache. O Mirage 2000D é uma variante dedicada ao ataque convencional.

Mirage 2000-5 e 2000F

Devido à perda de capacidade do Mirage 2000 diante de aeronaves mais modernas e o tempo ainda necessário para a entrada em produção do seu sucessor, o Dassault Rafale, foi criada uma nova versão aproveitando a eletrônica desenvolvida para o Rafale. Ao contrário do Mirage 2000C (interceptador) e do Mirage 2000D (caça de ataque), o Mirage 2000-5 é um caça multimissão graças, principalmente, ao radar RDY (Radar Doppler Multitarget). 37 aeronaves foram atualizadas para o novo padrão e renomeadas como Mirage 2000F. Uma versão desta variante usando o radar RDY-2, entre outras atualizações, é conhecida como Mirage 2000-5 mark 2.

Demais nomenclaturas

Mirage 2000E é o nome dado à versão de exportação do Mirage 2000C. Na época, a França impôs como restrição de exportação para o caça a troca do radar RDI pelo radar RDM+. Como é hábito da Dassault, foi criada uma nomenclatura para cada venda realizada. É motivo de controvérsia as capacidades das aeronaves entregues a cada operador, como também é sabido que ocorreram atualizações locais, como é o caso da Índia. As nomenclaturas das versões de exportação são: Miragem 2000M (Egito), Mirage 2000H (Índia), Mirage 2000P (Peru), Mirage 2000EI (Taiwan), Mirage 2000EDA (Qatar), Mirage 2000EAD (Emirados Árabes) e Mirage 2000EG (Grécia). O Mirage 2000-9 é a versão de exportação do Mirage 2000-5 mark 2 e foi vendida para os Emirados Árabes que também contratou a atualização dos aviões antigos para o mesmo padrão.

No fim da década de 90, a Força Aérea Brasileira criou o projeto FX, que consistia na escolha de um novo caça que substituísse os Mirage IIIE, baseados em Anápolis. Foram então pré-selecionados os seguintes modelos: Lockheed Martin F-16 C/D, JAS 39 Grippen A/B, MIG 29, Sukhoi 27, Eurofighter 2000 e o Mirage 2000-5. A Embraer apoiou o Mirage 2000-5, projetando em conjunto com a Dassault Aviation, uma versão que atendesse aos requisitos da Força Aérea Brasileira, batizada de Mirage 2000Br. A aeronave foi oferecida através de um consórcio da Embraer com a Dassault.

Devido à demora da decisão na concorrência da Índia, a Dassault anunciou o fechamento da linha de produção do Mirage 2000. Com o novo programa aberto com o nome de FX-2 para a compra inicial de 36 caças, o concorrente francês passou a ser o Rafale F3, o governo decidiu comprar 12 caças Mirage 2000 B/C usados da França, a fim de dar uma solução provisória ao problema de defasagem aérea brasileira enquanto o FX-2 não era concluido.

Pelo acordo de 80 milhões de euros, a França forneceu 12 aviões de caça que se encontram operando na AdA, além de peças, armamentos, treinamento e serviços. Todas as aeronaves passaram por uma grande revisão antes da entrega, o que permite sejam operadas até 2025. Todas as 12 aeronaves foram entregues entre 2005 e 2008. A FAB estuda a possibilidade de criar um segundo esquadrão também com aeronaves usadas.

Informações adicionais:

  • Tipo: Avião Militar/Caça
  • Fabricante: Dassault Aviation
  • Comprimento: 14,36m
  • Envergadura: 9,13m
  • Altura: 5,20m
  • Velocidade: 2.395 km/h (Mach 2.2)
  • Teto Máximo: 50.000 pés

Fontes: Wikipédia e Google

———————————————————————————–

Este então é um breve resumo da aeronave. E na semana que vem tem mais! Você pode escolher a próxima aeronave da qual falaremos, é só enviar um e-mail para blogfuturospilotos@gmail.com 😉

Futuro Piloto

Fábio Miguel

Máquina da Vez – Phenom 100

E aí Cmtes, tudo tranquilo? Maravilha!

Mais um jato executivo aqui na Máquina da Vez e nesta semana com algo bem brasileiro: O Embraer Phenom 100! A dica foi enviada pelo nosso querido amigo e leitor do blog, Alexandre Dias.

Phenom 100 é um avião executivo da categoria Very Light Jet (VLJ), fabricado pela empresa brasileira Embraer. Possui uma capacidade para 4 passageiros em sua configuração normal, mas pode levar até de 6 a 7 passageiros com um único tripulante, assento opcional e toalete com cinto de segurança.

Possui um alcance máximo de voo de 1.178 milhas náuticas com 4 ocupantes e reservas para voos IFR. Ao dia 1 de Janeiro de 2009, seu preço era de US$ 3,6 milhões, tendo a primeira aeronave entregue em Dezembro de 2008. A aeronave utiliza dois Pratt & Whitney Canada PW617-F turbofan instalados na parte traseira da fuselagem, com uma potência de 1.695 lb à uma temperatura ISA+10.

Os motores utilizam o sistema Full Authority Digital Engine Control (FADEC). Um outro sistema, de reserva automática de performance (APR) aumenta a potência do motor para 1.777 lb no caso de uma falha de motor na decolagem.

Programação e Cronograma

  • Abril de 2005: Diretoria da Embraer aprova a entrada da Embraer nas categorias de Very Light e Light jet (VLJ’s).
  • 3 de Maio de 2005: A Embraer lança as categorias Very Light Jet e Light Jet para complementar seu portfolio de jatos executivos.
  • 6 de Outubro de 2005: A BMW Group Designworks USA foi selecionada para desenhar os interiores da cabine de passageiros da aeronave.
  • 8 de Novembro de 2005: A Embraer seleciona a Garmin para prover a suíte de sistemas integrados de aviônicos para seus novos jatos leves.
  • 9 de Novembro de 2005: A Embraer revelou os nomes de seus novos jaots leves – o Phenom 100 e o Phenom 300 na convenção anual da NBAA junto com um Mock-up em tamanho real das aeronaves.
  • 7 de Junho de 2006: Primeiro corte de metal para o programa do Phenom 100.
  • 29 de Junho de 2006: Primeira operação do motor do Phenom 100, PW617F, executado nas dependências da Pratt & Whitney Canada.
  • 16 de Junho de 2007: O primeiro Phenom 100 saiu pela primeira vez da sede da construtora, em São José dos Campos, Brasil.
  • 26 de Julho de 2007: Primeiro voo do Phenom 100.
  • 9 de Dezembro de 2008: A Agência Nacional de Aviação Civil certifica a aeronave.
  • 12 de Dezembro de 2008: Certificação da FAA.
  • 24 de Dezembro de 2008: Primeira entrega do Phenom 100 para um cliente privado.
  • 24 de Abril de 2009: Certificação pela EASA.
  • 16 de Agosto de 2009: Autoridade Australiana de Aviação Civil (CASA) certifica a aeronave.

Informações adicionais:

  • Tipo: Avião Executivo
  • Fabricante: Embraer
  • Capacidade: até 7 passageiros
  • Comprimento: 12,80m
  • Envergadura: 12,30m
  • Altura: 4,40m
  • Velocidade: 722 km/h

Fontes: Wikipédia e Google

———————————————————————————–

Este então é um breve resumo da aeronave. E na semana que vem tem mais! Você pode escolher a próxima aeronave da qual falaremos, é só enviar um e-mail para blogfuturospilotos@gmail.com 😉

Futuro Piloto

Fábio Miguel

Máquina da Vez – Falcon 2000

E aí Cmtes, tudo tranquilo? Maravilha!

Ainda na linha de jatos executivos, trazemos para vocês uma das referências neste tipo de aeronave no mundo. Estamos falando do modelo Dassault Falcon 2000.

Jato executivo, da “melhor espécie”, o francês Dassault Falcon 2000, um bi-turbina, um desenvolvimento levemente menor do trijato Falcon 900. Assim como o 900, o Falcon 2000 possui alcance transcontinental. Também conhecido como Falcon X, é um dos membros da linha de jatos executivos Falcon da Dassault Aviation, e foi anunciado em junho de 1989. Ele voou pela primeira vez no dia 4 de março de 1993, e a sua certificação foi emitida em novembro de 1994. Quatro meses depois a primeira aeronave foi entregue para o primeiro cliente.

O Falcon 2000 herda as asas e a parte frontal da fuselagem do modelo 900, mas ele foi projetado com uma autonomia de 3.000 milhas náuticas em mente, o qual é menor que o alcance do Falcon 900. Essa opção removeu a necessidade de três motores para voos de longa distância sobre o oceano, permitindo que os dois motores CFE738 pudessem ser intalados na cauda, os quais oferecem consideráveis benefícios operacionais e de manutenção. A fuselagem do 2000 possui um projeto similar de tolerância a danos comparado ao Falcon 900. A nova fuselagem possui 20,24 metros de comprimento, 19,33 metros de envergadura e 7,06 de altura.

As mudanças nas asas incluiram um leading edge modificado e os slats internos foram removidos. O trem de pouso do tipo triciclo é retrátil, e cada unidade possui duas rodas. O cockpit apresenta quatro sistemas de telas de aviônicos EFIS Collins com head-up displays (HUD) opcionais da Flight Dynamics. O painel de intrumentos é equipado com três Engine Indicating Electronic Display (EIED).

O Dassault Falcon 2000 é equipado com dois motores turbofan CFE73811B especialmente desenvolvidos para ele, permitindo que ele possa voar a Mach 0,85 de velocidade cruzeiro numa altitude de 39.000 pés. O alcance numa velocidade de Mach 0,80 com oito passageiros é de 3.000 milhas náuticas e a Mach 0,75 é de 3.125 milhas náuticas. A altitude máxima certificada é de 47.000 pés; e o peso vazio é de 20.735 libras.

Uma subsequente versão de alcance extendido, o Falcon 2000EX, voou pela primeira vez em outubro de 2001 e apresenta motores mais potentes, capacidade extra de combustível e um alcance maior. O Falcon 2000DX, o qual é um substituto melhorado para o Falcon 2000, foi anunciado em 2005 pela Dassault, prometendo um alcance de 3.250 milhas náuticas, e voou pela primeira vez em junho de 2007.

A mais recente versão anunciada pela Dassault é o Falcon 2000LX, o qual possui um alcance de 4.000 milhas náuticas numa veloidade de Mach 0,80. Winglets foram instalados para melhorar a eficiência do consumo de combustível, asas reforçadas e novas portas de acesso são algumas das novas características anunciadas.

No mercado da aviação militar, o Falcon 2000, na versão EX, é utilizado para o transporte presidencial da Eslovênia, sendo operado uma unidade pela força aérea do país.

Informações adicionais:

  • Tipo: Avião Executivo
  • Fabricante: Dassault
  • Capacidade: até 12 passageiros
  • Comprimento: 20,24m
  • Envergadura: 19,33m
  • Altura: 7,06m
  • Velocidade: Mach 0,85

Fontes: Airliners.net e Voo Vitual

———————————————————————————–

Este então é um breve resumo da aeronave. E na semana que vem tem mais! Você pode escolher a próxima aeronave da qual falaremos, é só enviar um e-mail para blogfuturospilotos@gmail.com 😉

Futuro Piloto

Fábio Miguel

Máquina da Vez – Citation X

E aí Cmtes, tudo tranquilo? Maravilha!

Saindo um pouco da rotina de companhias aéreas, trouxemos para vocês hoje um jato executivo muito utilizado no mundo todo: O Cessna Citation X.

Cessna Citation X é um avião a jato intercontinental para uso civil, desenvolvido e fabricado pela companhia estadunidense Cessna.

Com capacidade para acomodar até doze passageiros, utilizou como base um outro projeto similar: o Cessna Citation XII, com mudanças significativas que o tornam uma aeronave quase completamente nova, como asas de enflechamento acentuado e motorização turbofan Rolls Royce que o tornam o equipamento mais rápido e de maior alcance da linha de produtos da fabricante.

Seu desenvolvimento foi anunciado na edição de 1990 da National Business Aviation Association e o primeiro protótipo realizou seu roll-out emWichita, Kansas, em setembro de 1993, voando pela primeira vez pouco antes do Natal daquele ano. Finalmente homologado em 1996, teve seu primeiro exemplar de série entregue poucas semanas depois, para o campeão de golfe Arnold Palmer.

A equipe de projetistas do Citation X foi agraciada com o Collier Trophy em 1996, por ter desenhado o primeiro jato executivo a atingir a velocidade de Mach 0.92.

O objetivo da Cessna era criar o avião civil mais rápido do mundo e competir diretamente com produtos de seus principais concorrentes, como o Embraer Legacy, Gulfstream G200 e Falcon 2000, mas principalmente o Hawker Horizon da estadunidense Raytheon, com sua leve e resistente fuselagem construída inteiramente em fibra de carbono.

Informações adicionais:

  • Tipo: Avião Executivo Intercontinental
  • Fabricante: Cessna
  • Capacidade: 10 a 12 passageiros
  • Comprimento: 22,00m
  • Envergadura: 19,48m
  • Altura: 5,76m
  • Velocidade: 972 km/h
  • Peso máximo de decolagem: 16.193 kg

Fontes: Airliners.net e Wikipédia

———————————————————————————–

Este então é um breve resumo da aeronave. E na semana que vem tem mais! Você pode escolher a próxima aeronave da qual falaremos, é só enviar um e-mail para blogfuturospilotos@gmail.com 😉

Futuro Piloto

Fábio Miguel

Cockpit do Comet em 360º Graus

E aí Cmtes, tudo tranquilo? Maravilha!

Chegando mais uma sugestão para nós via e-mail, nosso amigo Marvin nos sugeriu um link muito interessante. Ele viu na revista Aeromagazine esta reportagem e decidiu compartilhar conosco.

Vocês já estão acostumados a ver fotos em 360 graus com cidades, mas garanto que com cockpits de avião é meio difícil, certo? Agora vocês terão a chance de conhecer um pouco mais da cabine deste avião que marcou a história da aviação. Para ver a foto é só clicar no link abaixo.

OBS: Se quiser mais fotos de outras aeronaves, vocês podem encontrar clicando aqui.

Cockpit do Comet em 360º

Aqui vou deixar uma breve história do avião para que vocês o conheçam melhor.

——————————————————

de Havilland Comet, ou simplesmente Comet, origem inglesa, foi o primeiro avião comercial propulsionado por motores a jato fabricado no mundo. Com quatro reatores embaixo de suas asas, o Comet começou a operar em 1952 pela companhia aérea inglesa BOAC. Foi um grande sucesso, pois voava com o dobro da velocidade dos seus concorrentes da época, porém, com um enorme consumo de combustível, suas rotas eram curtas.

Inesperadamente em janeiro de 1954 um Comet que havia decolado de Roma se desintegrou enquanto sobrevoava o mar, matando seus trinta e cinco ocupantes. Os voos foram suspensos por algum tempo, mas assim que foram retomados, outra aeronave se despedaçou em pleno ar, novamente matando todos os ocupantes. Os navios de salvamento da Marinha Real Britânica foram enviados ao local do primeiro acidente para resgatar as peças do avião que estavam submersas, já que o segundo acidente aconteceu sobre águas profundas, resgatando 2/3 das peças.

Os destroços foram, então, enviados a Farnborough, Inglaterra onde o Comet acidentado foi cuidadosamente remontado, utilizando-se peças novas no lugar das que não foram resgatadas do avião acidentado. Um outro Comet foi colocado em um tanque com água, para simular a mesma situação de diferença de pressão atmosférica e desgaste de material.

Cabe aqui uma explicação: Até então a maioria dos aviões da época voavam a baixas altitudes, onde a pressão atmosférica era semelhante à da superfície da terra. Porém os aviões a jatos necessitam voar a uma altitude muito grande para evitar turbulencias e tempestade, onde a pressão atmosférica é mínima. Como o ser humano não consegue ficar consciente com uma pressão muito baixa, os aviões a jato precisam ter um sistema que deixe a pressão dentro do avião bem maior que a de fora.

Descobriu-se finalmente que os projetistas não tinham preparado a estrutura para ser usada com essa diferença de pressão, logo os aviões eram verdadeiras “bombas” voadoras. Bastou uma rachadura no teto do primeiro Comet acidentado para que ele se desintegrasse em pleno vôo. No caso do Comet resgatado do fundo do mar, a rachadura havia se iniciado onde a superfície metálica fora cortada em retângulo, para a instalação de uma antena de ADF. Também as janelas dos primeiros Comet eram quadradas, o que criava pontos de tensão nas extremidades. É por isso que, a partir dessas tragédias, os aviões passaram a ter janelas redondas e ovais, com o propósito de diminuir a tensão, e conseqüentemente, a fadiga metálica.

Na madrugada de 23 de novembro de 1961, um jato Comet 4 de prefixo LV-AHR das Aerolineas Argentinas caiu logo após decolar de Viracopos (Campinas-SP), provocando a morte das 52 pessoas que estavam a bordo. Os motores apresentaram problemas durante o procedimento de decolagem e aeronave ficou descontrolada. Foi então perdendo altitude até atingir um eucaliptal situado a 500 metros da cabeceira da pista da então zona rural do município de Campinas.

Com o impacto, o avião abriu uma clareira de 400 metros de extensão entre as árvores e foi se despedaçando até bater contra um pequeno morro onde acabou por explodir. O De Havilland Comet teve uma carreira muito curta, porém de extrema importância para a aviação mundial. O Comet serviu de lição para que os outros projetistas modificassem os seus projetos e fizessem aviões a jato confiáveis. A era do jato impulsionou a aviação civil mundial para a sua época de ouro (década de 1960).

Fonte: Wikipédia

—————————————————-

E aqui está a história desta aeronave que, como o texto já disse, foi de extrema importância para o desenvolvimento da aviação mundial.

Gostaram? Deixem os comentários abaixo 😉 Tem alguma sugestão de post? Deixe-nos um e-mail em blogfuturospilotos@gmail.com 😉

Futuro Piloto

Miguel

Máquina da Vez – ATR 42

E aí Cmtes, tudo tranquilo? Maravilha!

Nesta semana trouxemos para vocês uma aeronave muito utilizada no transporte regional de passageiros e cargas no mundo todo: O ATR 42.

ATR-42 Aerospatiale é uma aeronave de médio-porte e propulsão turbo-hélice combinada com asas altas, fabricada pela Avions de Transport Regional, utilizado principalmente pelas linhas aéreas regionais.

Tecnicamente, o ATR-42 Aerospatiale situa-se ao nível do turbohélice regional brasileiro Embraer EMB-120 Brasília e, embora o modelo brasileiro esteja numa categoria de capacidade de transporte de passageiros abaixo da capacidade do ATR, dentro do meio aeronáutico, concorda-se que os números ponderados de desempenho dos dois modelos não sejam muito diferentes, com ligeira vantagem para o turbohélice europeu.

O ATR-42 Aerospatiale tem uma porta-extra na lateral esquerda dianteira da fuselagem que serve para introdução facilitada e rápida de encomendas por pequenos conteineres ou pallets, cujo importante complemento no faturamento de companhias aéreas nesse tipo de serviço auxiliar expresso costuma cobrir os seus custos operacionais e despesas administrativas, com margens de lucro.

O ATR-42 começou a ser produzido no início da década de 80, e desde então mais de 700 unidades estão voando no mundo inteiro, inclusive no Brasil, comprovando assim as características deste bimotor turbohélice para transporte regional de passageiros. As operadoras do ATR 42 no país são a Total (JadLog), Pantanal e Trip.

Informações adicionais:

  • Tipo: Avião Comercial Regional
  • Fabricante: Aerospatiale
  • Capacidade: 40 a 52 passageiros
  • Comprimento: 22,67m
  • Envergadura: 24,57m
  • Altura: 7,59m
  • Velocidade: 560 km/h ou 350 mph ou 300 kt
  • Peso máximo de decolagem: 18.600 kg

Fontes: Airliners.net e Wikipédia

———————————————————————————–

Este então é um breve resumo da aeronave. E na semana que vem tem mais! Você pode escolher a próxima aeronave da qual falaremos, é só enviar um e-mail para blogfuturospilotos@gmail.com 😉

Futuro Piloto

Fábio Miguel

Máquina da Vez – Embraer 190

E aí Cmtes, tudo tranquilo? Maravilha!

Mais um Máquina da Vez começando por aqui e hoje vamos mostrar para vocês um pouco do que é nosso. Sim, o modelo 190 da família E-Jets da Embraer.

Após o sucesso alcançado pelos jatos regionais ERJ-145, a fabricante brasileira Embraer apostou no desenvolvimento de uma nova família de aeronaves, com capacidade entre 70 e 90 passageiros, ampliado depois para 118 passageiros, com o Embraer 195.

Optou-se por começar o desenvolvimento do zero, o que transformou os E-Jets, como são conhecidos, na primeira família desenvolvida após osBrasília, já que os ERJ são baseados na fuselagem destes.

Após o lançamento do Embraer 170 e do Embraer 175, chegou a vez do Embraer 190. Maior, mais longo e pesado que os irmãos mais velhos, a aeronave voou pela primeira vez em 2004, e foi homologada em agosto de 2005, e no mês seguinte, as primeiras entregas começaram, para a JetBlue, lançadora do tipo, e  Air Canada.

Embora seja fabricado no Brasil, somente em 2008, a Azul Linhas Aéreas Brasileiras se tornou a primeira companhia aérea nacional a utilizar os e-jets. Em junho de 2008, a FAB encomendou dois Embraer 190 para o serviço de transporte de autoridades da Presidência da República, visando substituir os veteranos Boeing 737-200 FAB VC 96.

Em abril de 2011 a holandesa KLM encomendou 05 aeronaves deste modelo, para entrega a partir de 2012. Os modelos Embraer 170, Embraer 175 e Embraer 195 são seus “irmãos” menores e maiores. O Embraer 190 no Brasil é utilizado pela TRIP e pela Azul.

Informações adicionais:

  • Tipo: Avião Comercial
  • Fabricante: Embraer
  • Capacidade: 98 a 114 passageiros
  • Comprimento: 36,24m
  • Envergadura: 28,72m
  • Altura: 10,55m
  • Velocidade: 900 km/h ou Mach 0,80

Fontes: Airliners.net e Wikipédia

———————————————————————————–

Este então é um breve resumo da aeronave. E na semana que vem tem mais! Você pode escolher a próxima aeronave da qual falaremos, é só enviar um e-mail para blogfuturospilotos@gmail.com 😉

Futuro Piloto

Fábio Miguel